3 de março de 2015

MARIA AUGUSTA PINTO (VIÚVA DE EVARISTO PINTO) - 'FOLAR DA PÁSCOA' ERA UM FERMENTO DE BUSTOS

A referência a "portuguese bread" tem de ver com "bolo doce de Páscoa" que a S.rª Maria sempre tinha em casa para as visitas...Eu recordo-me bem de uma recente visita quando a mãe do nosso conterrâneo Franklin nos deu um bolo para trazer para casa...Assim era esta amável senhora. Ela vivia em Martinez, na baía de San Francisco, numa casa totalmente remodelada pelo marido Evaristo Pinto...Tinha aí uma horta e uma residência separada no andar superior onde o filho viveu nos princípios do seu casamento com Bárbara e mais tarde até agora ficou para o seu neto Shane.   O Franklin vive com a esposa Barbara numa cidade circunvizinha onde cuida dos seus adorados cães e duma coleção de carros desportivos.
[…]
O Evaristo era muito conhecido por aqui tanto como construtor mas também como grande caçador e tinha bons cães de caça tal como quando vivia em Bustos. Mais tarde quando os meus pais vieram para Califórnia, era sempre uma alegria juntarem-se com os Pintos...A minha måe e a Sra Maria gostavam muito falar dos tempos passados... eram gente da Póvoa…[…]

Élio Freitas, Califórnia

MARIA AUGUSTA PINTO (VIÚVA DE EVARISTO PINTO) - SERVIÇO RELIGIOSO




(Élio Freitas, Califórnia)

2 de março de 2015

RASTREIO CARDIOVASCULAR





A Associação Orfeão de Bustos leva a efeito o rastreio mensal das doenças cardiovasculares, no próximo domingo, dia 8 de março 2015,  das 9h30 às 12h30. Este domingo será realizado na Sala do Centro de Dia da ABC de Bustos, como acontece mensalmente.
Vigie a sua saúde e teste os indicadores do peso, tensão arterial, glicémia, colesterol e triglicerídeos.
A direção apela a toda a população para cuidar da sua saúde...

ADERCUS VENCEU EM CASTELO DE PAIVA


A Quinta do Hotel Rural de Castelo de Paiva foi o palco da edição de 2015 dos campeonatos distritais de corta-mato da Associação de Atletismo de Aveiro para os escalões de Benjamins, Infantis, Iniciados, Veteranos e Absoluto Curto. A ADERCUS voltou a marcar presença no pódio a nível individual e colectivo, na última competição que antecede os campeonatos nacionais.

Sara Carvalho 2ª, Elisabete Azevedo 1ª, Débora Santos 3ª, em Castelo e Paiva
A primeira prova em disputa foi a corrida de Juvenis, que foi uma prova extra campeonato, com a distância de 3.000m, na qual Beatriz Rodrigues foi a vencedora e Salomé Sousa a 3ª classificada. Um pouco depois, Vanessa Fonseca cortou a meta no 10º lugar.

Seguiram-se as corridas do campeonato distrital, tendo tido início com a de Infantis femininos, na qual Sofia Almeida foi a vencedora destacada, tendo a ADERCUS subido também colectivamente ao 3º lugar do pódio, com os contributos de Catarina Pardal, 11ª, Jéssica Saraiva, 20ª, e Érica Matos, 32ª.

Nos Iniciados masculinos o Miguel Matos foi o 10º classificado, enquanto no sector feminino a Luana Ferreira foi a 19ª. Nos veteranos masculinos, cuja classificação foi geral, Paulo Ferreira foi o 9º e Jorge Bola o 12º.

No campeonato absoluto feminino da versão curta do corta-mato, de 4.000m, a ADERCUS alcançou mais um título distrital, tendo conquistado todos os lugares individuais do pódio. O título individual foi alcançado por Elizabete Azevedo, seguida de Sara Carvalho, 2ª, e de Débora Santos, 3ª. Mónica Simões foi a 4ª, Joana Nunes, 6ª, e a jovem Ana Rodrigues foi a 4ª Sub-23.


No sábado à tarde, Débora Santos também subiu ao pódio do campeonato nacional universitário de pista coberta, disputado em Pombal, no pavilhão da ExpoCentro, em representação da Universidade de Coimbra, na qual frequenta o mestrado de ensino de Educação Física. A atleta foi a 2ª classificada da corrida de 3.000m, tendo disputado a vitória ao sprint até à meta, terminando com o registo de 10min04seg
(ADERCUS)

27 de fevereiro de 2015

FALECIMENTOS


Alcides Nunes Vieira comunica o falecimento de  Sr. Jaime Francisco Rei (foto) no Brasil.Nasceu no Sobreiro de Bustos no dia 24/12/1918.Faleceu em S. Paulo em 22/10/2014 .

Faleceu ontem a Sra Maria Augusta, mãe de Franklin Pinto.

Descansem em paz.


23 de fevereiro de 2015

ADERCUS NO XXX GP DE ESTARREJA

ESTARREJA, XXX GP - 2ª Carla Martinho, 1ª Sara Pinho, 3ª Débora Santos
A cidade do Antuã foi o palco do 30º Grande Prémio de atletismo, no qual a ADERCUS marcou mais uma presença, com várias subidas ao pódio, individual e colectivamente.
Na primeira das corridas, para Infantis femininos, a ADERCUS alcançou o 2º lugar colectivo, face ao conjunto de resultados individuais obtidos, tendo a Sofia Almeida alcançado o 2º lugar, Jéssica Saraiva foi a 14ª, Catarina Pardal 16ª e Érica Matos 17ª.
 Seguiram-se os Iniciados, prova na qual Luana Ferreira foi a 7ª classificada e no sector masculino Miguel Matos foi o 4º. Nos Benjamins, que são os mais jovens em competição, Alexandre Esteves foi o 11º classificado.
 Na corrida conjunta dos escalões de Juvenis e Juniores femininos foi alcançada a vitória colectiva, com destaque para a vitória individual de Beatriz Rodrigues na classificação geral. Entre as Juvenis, Salomé Sousa foi a 5ª classificada e Vanessa Fonseca a 9ª. Nas Juniores Ana Rodrigues subiu ao pódio no 2º lugar.
 Na corrida principal, de 10.000m, destacaram-se as Séniores femininas da equipa da Serena, de Oliveira do Bairro, com mais uma vitória colectiva. Sara Pinho (Sporting CP) foi acompanhada ao pódio por Carla Martinho, 2ª classificada, e por Débora Santos, 3ª. Pouco depois cortaram a meta a Mónica Simões, que foi a 6ª, e Joana Nunes, 7ª.

20 de fevereiro de 2015

TRIBUTO AOS QUE PARTIRAM EM 2014



Dia de Bustos’15


Programação:

Dia 21 de Fevereiro
 9:30h – Torneio de futebol infantil, aulas livres de Zumba, Hip-hop, defesa pessoal e diversos jogos para crianças.
15:00h – Tributo aos Bustuenses falecidos em 2014. no salão nobre da Junta de Freguesia
             por Belino Costa e Cantares Populares de Bustos

Dia 22 de Fevereiro
11:00 h – Eucaristia de acção graças por todos os Bustoenses – Animação litúrgica pelo Coral do Orfeão de Bustos
Em memória:

Nome    Data de Nascimento Data de Óbito
Ismael dos Santos Nicho Bustos 01-03-1920 03-01-2014
Saul do Carmo Simões Bustos 17-04-1942 13-01-2014
Maria Rosa Santos Reis Bustos 22-04-1925 31-01-2014
Maria Moreira Marques Bustos 27-04-1920 02-02-2014
Maria Isabel Tavares Urbano Ala Bustos 06-07-1924 14-02-2014
Rosa de Jesus Bustos 05-01-1924 22-02-2014
Manuel Amilcar dos Santos Ribeiro Bustos 14-10-1923 26-02-2014
Michel Albert Georges Martin Bustos   11-03-2014
Silvina Martins Bustos 10-11-1929 11-03-2014
Maria Ferreira Grangeia Bustos 20-09-1937 20-03-2014
Odete Nunes santos Bustos 22-05-1937 22-03-2014
Assis dos Santos Silvestre Bustos 19-02-1932 24-03-2014
Maria Lucília de Oliveira Costa Bustos 13-05-1945 05-04-2014
Maria Isaura Simões da Costa Bustos 23-04-1929 13-04-2014
Cesário Augusto Nunes Mota Bustos 15-01-1935 27-04-2014
Argina Simões da Costa e Sousa Bustos 08-06-1915 02-05-2014
Adélia Maria Simões da Rita Martins Bustos 17-03-1955 02-05-2014
Rosa dos Santos Mota Bustos 18-09-1924 04-05-2014
Joaquina da Conceição Ferreira Bustos 22-04-1935 13-05-2014
Manuel dos Santos Granjeia Bustos 11-04-1942 17-05-2014
Mário Reis Pedreiras Bustos 09-02-1923 17-05-2014
Artur Simões Santos Bustos 15-01-1926 26-05-2014
Amadeu Martins da Silva Bustos 26-04-1933 14-07-2014
Manuel Augusto Correia Bustos 24-08-1944 17-07-2014
Rosa da Silva Domingues Bustos 12-10-1925 26-07-2014
Glória da Fonseca Teixeira Bustos 21-09-1941 04-08-2014
Deolinda Simões dos Santos Bustos 17-07-1921 23-08-2014
Natalino  Bustos    
Belarmina Ferreira Martins Bustos 06-01-1930 25-10-2014
Deolinda de Oliveira Bustos 26-12-1915 16-11-2014
Maria Prudência dos Santos Duarte Bustos 23-04-1926 19-11-2014
Rosa dos Santos   Bustos 12-03-1920 22-12-2014
Rosa Rodrigues Gomes Bustos 18-10-1931 27-12-2014

19 de fevereiro de 2015

OS TROVANTE TOCARAM EM BUSTOS A TROCO DE UM LEITÃO


Então o centro de Bustos fervilhava de actividade. Nos cafés juntavam-se novos e velhos, uns jogavam cartas, outras damas e xadrez. Nesses momentos de convívio falar da compra do Palacete pelo povo da terra era um tema recorrente. A malta mais nova adorava mandar bocas e brincar com a extravagância popular de comprar um velho palacete por oito mil contos, “a pagar em três prestações”, sublinhavam alguns em sinal de desdém. Como na aldeia não existia qualquer fábrica de fazer dinheiro a miudagem brincava com a maluquice que seria juntar tão grande quantia de dinheiro em apenas dois anos. Os jovens, não sei se por birra ou por razões hormonais, não acreditavam na ousadia de homens e mulheres de Bustos que se atiravam a uma tarefa complexa e difícil, assumindo grandes responsabilidades, apenas porque acreditavam na solidariedade humana. Muitos apoucaram a folha de papel, uma circular à população, onde se explicava o desafio:

Circular

BUSTUENSES

Levamos ao conhecimento de todos os nossos conterrâneos a Obra Social que se está a concretizar em Bustos:

- Localizar no mesmo edifício a casa do Povo, Posto Médico da Previdência, a Biblioteca da Fundação Gulbenkian, um Infantário e um Salão de Dia para a terceira idade.

Para essa finalidade adquirimos, por compra, o Palacete do Visconde de Bustos e seus anexos por 8 000 000$00, pagável em três prestações anuais. A primeira e já liquidada em 15 de Maio de 1980 de 3 000 000$00, a segunda prestação, a liquidar em 15 de Maio de 1981, será igualmente de 3 000 000$00.

A terceira e última prestação de 2 000 000$00, que tem o seu vencimento a 15 de Maio de 1982, pensamos ser possível fazer o seu pagamento em 18 de Fevereiro de 1982, para nessa data ser celebrada a escritura de compra.

Confiamos no Bairrismo dos nossos conterrâneos residentes e emigrantes, e com o apoio de Indústria e Comércio local.

Estamos certos de que o povo de Bustos irá colaborar em massa para a criação de uma obra social digna do progresso da sua terra.

A HORA É DECISIVA!

O MOMENTO É DE ACÇÃO!

Até 30 de Abril próximo aguardamos a contribuição de todos os Homens e Mulheres de Bustos

A Comissão Instaladora da Associação de Beneficência e Cultura de Bustos *


A crença no ”bairrismo dos nossos conterrâneos residentes e emigrantes” aliada à fé no ”apoio de Indústria e Comércio local” bastava para que um grupo de homens se empenhasse num projecto visando o interesse comum. Estavam cheios de razão porque a solidariedade atravessou continentes e foram raros os que não contribuíram para a concretização do sonho. Mal o povo tomou posse do edifício e se iniciaram as obras de recuperação nem os mais cépticos deixaram de ser tocados pela onda de energia positiva que atravessou o, até então, abandonado edifício mandado construir por António Duarte Sereno. O pátio e jardim do Palacete, com as suas festas, espectáculos e quermesse, passaram a ser o centro de convívio e angariação de fundos. E para o êxito do projecto foi fundamental o empenho e dinamização de muitos homens e mulheres em múltiplas frentes. Vender bolos, petiscos, senhas e até beijinhos, não faltou arte, engenho e trabalho para ir juntando os tão desejados escudos. Paralelamente, no palco erguido por Manuel Pedreiras, iam decorrendo espectáculos, onde não faltou o Rancho e Banda da Mamarrosa, o Manuel Miranda, o Amadeu Mota, os Faraós e muitos outros.

Todos fomos chamados a colaborar. Eu tive a honra de ser interpelado por esse ser humano magnifico, um senhor de cabelos brancos, homem doce, sempre apaixonado pela sua terra chamado Hilário Costa. Pegou-me no braço e usando de uma cumplicidade bem antiga, assumiu a postura de um verdadeiro comandante ordenando:
 - Fala lá com os teus amigos artistas e vê o que nos consegues arranjar. Já sabes que não pagamos nada a ninguém pois estamos precisados de dinheiro. Mas assegura-lhes que não passarão fome ou sede e que poderão usar as nossas casas para o merecido descanso.

Ao tempo trabalhava no jornal de espectáculos “Se7e”, em Lisboa, pelo que a minha modesta condição de jornalista não me permitia supor que tivesse condições para convencer algum grande nome da música portuguesa a vir apresentar-se a Bustos a troco de cama e mesa. Mas como podia hesitar perante tão honesto pedido? Tocado pelo idealismo daquele homem, pela sua inabalável fé na capacidade humana em dar as mãos, aceitei o desafio. Prometi-lhe que iria dar o meu melhor.

Não foi preciso chegar a Lisboa para perceber que estava metido numa grande alhada. Como convencer um grupo de músicos a trabalhar por amor à causa do povo de Bustos? Explicar-lhes que tinham de se fazer à estrada a troco de uma bucha e algumas palmas, mas correndo também o risco de alguns apupos.
Estávamos em plena euforia do que ficaria conhecido como o “Boom do Rock Português”. A vida cultural portuguesa rejubilava com o fim do período revolucionário. A democracia parecia definitivamente estabilizada e a cultura popular jovem saltava para a televisão, rádio e páginas dos jornais. Muitas foram as propostas musicais, os estilos, as tendências, os grupos. A agregar esta diversidade apenas um denominador comum, a necessidade de cantar em português.
Rui Veloso é uma figura central deste período, tal o impacto do álbum “Ar de Rock (1980). Mas em 1981, com o lançamento de “Baile no Bosque, os Trovante acrescentam algo de novo ao movimento musical. Não só cantavam em português como se inspiravam na música tradicional portuguesa.


Os Trovante viviam o exaltante momento da consagração quando, em nome do superior interesse da minha terra, interpelei o manager da banda, desafiei-o para um espectáculo gratuito em Bustos. O Miguelão olhou-me lá das alturas e eu, sem o deixar retorquir, atirei-lhe com a beleza da ideia, de como podia ajudar uma pequena comunidade a cumprir um sonho. E o mais espantoso é que em vez de um não, ele me respondeu que tal só seria possível se tivessem um outro concerto que ficasse em caminho. De outra forma não conseguiria pôr toda a equipa em andamento, mais de uma dúzia de pessoas entre músicos e técnicos, a que havia a juntar um camião com equipamento. Por outro lado era necessário que todos concordassem em trabalhar sem receber salário.

Razão tinha Hilário Costa em acreditar na generosidade humana. Eu passei a acreditar na generosidade dos grandes artistas. Uma apresentação nos arredores do Porto foi o móbil que permitiu que os Trovante se apresentassem no pátio do palacete, na noite de 7 de Agosto de 1981. A caravana antecipou a viagem por um dia e o grupo apresentou-se perante uma assistência entusiasmada numa noite luminosa e quente. Não receberam salário mas tiveram o privilégio de ajudar uma boa causa, comer um saboroso leitão e, por uma noite, partilharem os nossos tectos, pois nem sequer exigiram ir dormir a qualquer pensão ou hotel.

Assim se cumpriu a vontade de Hilário Costa, mas já um novo desafio se impunha porque no ano seguinte, a 18 de fevereiro de 1982, o povo queria selar a compra. Razão de sobra para se organizar um magnífico espectáculo de gala…

(Essa é história que fica para outro dia.)

Belino Costa


*A Comissão Instaladora era constituída por: Alcino Caetano da Rosa; Amaral Simões dos Reis Pedreiras; Fernando Luzio; Hilário Simões da Costa; Jorge Nelson Micaelo; José Luís Martins; José Coelho; Manuel Marques Liberal; Miguel Barbosa; Óscar Aires dos Santos; Rodolfo dos Reis; Manuel Martins

DE PASTELEIRA TAMBÉM SE FEZ A FESTA

As comemorações do 18 de Fevereiro de 1982 contaram com um programa recheado ao longo de nove dias de festa. Vale a pena recordar o programa:


DIA 13, sábado

7h00 – Início dos Festejos: Descarga de fogo. 14h00 – Estafeta “Dia De Bustos” por todos os lugares da freguesia acompanhada de caravana para anúncio dos festejos. 14h30 – Inauguração de Exposições: Exposição fotográfica retrospectiva de Bustos; Exposição de dados demográficos da freguesia; Exposição de pintura de José Santos; Exposição de porcelana pintada à mão de Acácio Moreira.

DIA 14, domingo

9h00 – Desporto: Provas de Pasteleira. 

      fotos BC



15h00 – Futebol federado.

DIA 15, segunda-feira

21h00 – Colóquio de Agricultura com a participação do Eng. Silvestre, Eng. Octávio Pato, Eng. Dias Cardoso, Dr. Rui Jorge Aires, Eng. Bernardo Santos e Prof. Américo Urbano.

DIA 16, terça-feira

21h00 – Espectáculo Popular: Orfeão de Bustos; Colégio de Bustos; Grupo musical “King Fischer’s Band”.

DIA 17, quarta-feira

21h00 – Colóquio da Mulher:”A Mulher esposa e mãe”. Orientação de Profª Aida Ferreira, Drª Dorinda Reis e Srª D. Ângela Borges.

DIA 18, quinta-feira

7h00 – Salva de 21 tiros. 11h00 – Missa de sufrágio em honra dos bustuenses falecidos. 12h00 – Romagem ao cemitério e deposição de uma coroa de flores. 15h00 – Assinatura da escritura de compra do Palacete de Todos os Bustuenses. 16h00 – Sessão Solene. 21h00 – Noite de Gala com: GEFAC, danças e cantares de música popular portuguesa; Carlos do Carmo e a orquestra de Pedro Osório.

DIA 19, sexta-feira

15h00 – Tarde cultural infantil: “Conhecer Bustos”, projecção de slides; O espectáculo feito pela criança; Fantoches; Grupo Coral Infantil da Gulbenkian (Aveiro).

DIA 20, sábado

14h30 – Desporto para todos: Confraternização de Velhas-Guardas; Bustos-Mamarrosa; Futebol feminino.

DIA 21, domingo

9h00 – Atletismo, crianças de várias escolas e adultos. 18h00 – Encerramento dos festejos. 21h30 – Baile com sorteio de rifas.

Extra cartaz: Relação do Fogo para as Festas.

Dia 13 (manhã): 2 de canhão; 6 de 2 tiros e 1 forte; 6 de 3 tiros e 3 baterias; 6 de 5 tiros e 1 forte – Dia 14 (manhã): 2 de canhão; 6 de 2 tiros e 1 forte; 6 de 5 tiros e 1 forte – Dia 15 (tarde): 2 de canhão; 6 de 2 tiros e 1 forte; 6 de 5 tiros e 1 forte – Dia 16 (tarde): 2 de canhão; 6 de 2 tiros e 1 forte; 6 de 5 tiros e 1 forte – Dia 17 (tarde): 2 de canhão; 6 de 2 tiros e 1 forte; 6 de 5 tiros e 1 forte. Dia 18 (manhã): Salva de 21 tiros de canhão; 6 de 2 tiros e 1 forte; 12 de 5 tiros e 1 forte; 1 de canhão. Dia 18 (noite): 2 de canhão; 6 de dois tiros e 1 forte; 6 de 5 tiros e 1 forte – Dia 19 (meio-dia) 2 de canhão: 6 de dois tiros e 1 forte; 6 de 5 tiros e 1 forte – Dia 20 (meio-dia) 2 de canhão: 6 de dois tiros e 1 forte; 6 de 5 tiros e 1 forte – Dia 21 (noite) 2 de canhão: 6 de dois tiros e 1 forte; 6 de três tiros e 3 baterias; 6 de 5 tiros e 1 forte.


Fonte: Oficio enviado pela Comissão de Propaganda, assinado por Hilário Costa e Adélio Reis, à Comissão Central. Valor estimado, 14.475$00.