15 de Abril de 2014

Nathalie Pires, fadista luso-descendente, de Bustos, no Carnegie Hall

A Nathalie é uma reconhecida Fadista de Bustos, filha do Telmo Pires e da Isaura, que estão radicados nos EUA há largos anos.
As saudades, a paixão por Portugal e pelo "Fado que corre nas veias" tem levado a Nathalie aos quatro cantos do mundo. Desta feita participou num espetáculo grandioso, produzido por Christopher Tin, cujo trabalho na área musical já lhe rendeu duas estatuetas Grammy (sic), na sala das grandes estrelas que é o Carnegie Hall.
Tenhamos orgulho!
A notícia que se segue é uma transcrição daqui.



 "NATHALIE PIRES SUBIU DOMINGO [13 de abril] AO PALCO DO CARNEGIE HALL 'PELA MÃO' DE CAMÕES
Fadista luso-americana interpreta letra do mítico poeta português no espectáculo 'The Music of Christopher Tin - The Drop of Dawn'

• Por HENRIQUE MANO
Editor at large
Jornal LUSO-AMERICANO
Nova Iorque
www.lusoamericano.com

A cantora Nathalie Pires, de New Jersey, estreou-se domingo no palco principal do Carnegie Hall - o Auditório Stern, 'pela mão' do maior poeta português de todos os tempos, Luís Vaz de Camões. A intérprete, considerada pelo Carnegie Hall "uma das mais importantes da nova vaga do fado", fez parte do espectáculo 'The Music of Christopher Tin - The Drop of Dawn', que reuniu centenas de artistas em palco - num autêntico mosaico multicultural.
"Foi uma maneira fabulosa de representar Portugal", reconheceu Pires, no final do espectáculo, falando em exclusivo ao jornal LUSO-AMERICANO. "Estou super feliz."
A cantora fez duas intervenções em português, tendo os textos (incluindo 'Passou o Verão', de Camões) sido seleccionados pelo compositor Christopher Tin - cujo trabalho na área musical já lhe rendeu duas estatuetas Grammy. Depois de ter feito uma parceria com Dulce Pontes, o norte-americano de origem asiática optou por convidar Nathalie Pires para o projecto que levou 4 anos a elaborar e que culminou com o espectáculo de domingo.
Na edição da revista 'Playbill' de Abril, dedicada ao concerto de música clássica, são "a voz intensa" e "a emoção" que deixa transparecer em palco os factores que a internacionalizaram, "conquistando de forma definitiva a imprensa e o público."
Nathalie Pires começou a cantar fado no Clube Português de South River, fascinada pela voz de Amália Rodrigues. Foi construindo de forma paulatina uma das mais sólidas carreiras de fado de uma luso-descendente, com convites, hoje, para ir aos mais variados cantos do mundo.
A jovem intérprete disse ter estado "muito nervosa" durante as três semanas que anteciparam a sua ida ao Carnegie Hall de Manhattan, na 57ª Rua - sabendo do imenso historial da casa de espectáculos, por onde já passaram algumas das maiores vozes e talentos da música. "Mas hoje senti que estava a representar Portugal e tudo correu como previsto. Foi uma grande emoção ter cantado na nossa língua."
Entre a assistência que enchia o amplo auditório, com capacidade para cerca de 3 mil pessoas, sentou-se o cônsul-geral de Portugal em Newark, NJ, Pedro Oliveira. "É magnífico ver uma fadista luso-americana, ainda por cima - acho que há que distinguir também esse facto, num dos palcos principais dos Estados Unidos, Nova Iorque, a cantar na nossa língua", disse o diplomata ao jornal LUSO-AMERICANO, acrescentando: "É um motivo de imenso orgulho e prazer ver uma artista como a Nathalie Pires fazer parte de um espectáculo tão interessante e bem conseguido como este."
Nathalie Pires revela que entra em estúdio "no verão deste ano" para o registo do seu próximo trabalho discográfico e em digressão "em Dezembro" pela Europa e América, "com datas já confirmadas na Alemanha, Bélgica e Holanda."
Parafraseando Frank Sinatra: "If you make it here, you make it anywhere.""



Notícia que anunciava o espetáculo: http://www.lusoamericano.com/?p=3567

11 de Abril de 2014

4.5 MILHÕES PARA O QUARTEL DAS ARTES


O Quartel das Artes Dr. Alípio Sol, erguido no local do Antigo Quartel dos Bombeiros de Oliveira do Bairro, representa um investimento de 4.576.273,68€ inscrito no Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN). O novo equipamento, com projeto da autarquia elaborado pela arquiteta Joana Roça, apresenta uma área bruta total de 6.000 m2 e contempla um foyer; um auditório, com capacidade para cerca de 415 pessoas, incluindo o acesso a pessoas com mobilidade condicionada; um andar dedicado às exposições; uma cafetaria com esplanada e ainda outros espaços multifunções.
O auditório do Quartel das Artes é uma sala com diversas possibilidades cénicas que permite acolher espetáculos tão diferentes como: teatro, dança, musicais, revista, stand-up, ópera, concertos, recitais, com diversas configurações e posicionamentos cénicos, uma vez que dispõe de uma plataforma de fosso de orquestra com capacidade para 22 músicos, bem como espetáculos com características eletroacústicas da área do jazz, música contemporânea, pop e popular em que a componente de equipamentos eletrónicos de som domine os acontecimentos do espetáculo e ainda congressos, conferências e colóquios.  

RB

Região Bairradina
FOTO Jornal da Bairrada

10 de Abril de 2014

NASCEU A CONFRARIA DOS ROJÕES COM GRELO E BATATA À RACHA


 
Nasceu no passado dia 5 de Abril, em Oliveira do Bairro, a confraria dos Rojões da Bairrad com Grelo e Batata à Racha. ,que, na igreja de Vila Verde, entronizou, os seus 30 confrades fundadores e 20 efetivos que juraram defender, divulgar e promover a gastronomia bairradina, nomeadamente no que toca à genuinidade e tradição do modo de confecção dos rojões desta região do país, para além das suas demais iguarias gastronómicas, cultura e tradições.
Estiveram presentes, a apadrinhar o ato, as confrarias: das Almas Santas da Areosa e do Leitão (de Aguada de Cima, Águeda) e dos Enófilos da Bairrada (de Anadia).Segui-se um repasto onde os rojões da Bairrada, confeccionados em tacho com lume brando, com grelos e batata à racha fizeram a delicia dos convivas.
Os órgãos sociais ficaram assim constituidos:Assembleia Geral- Presidente/Juiz: Joaquim de Almeida, Secretários: Carlos Pinheiro e Gilberto Martins Rosa; Direção- Presidente/Mordomo-mor: Miguel Roque Bouça, Vice-presidente Secretário/ Mordomo: Joel Reis, Vice-presidente Tesoureiro/Mordomo: Vítor Pinto, Vice-presidentes/Mordomos: Emília Abrantes, Maria Ivone Almeida, Fernando Clara e Armando Castro; e no Conselho Fiscal- Presidente: Fernando Pinhal, Relator: Ana Lina Gomes, e Vogal: João Rocha.

8 de Abril de 2014

DOMINGO: AÇÃO MÉDICO SOCIAL



A associação Orfeão de Bustos leva a efeito no próximo domingo, dia 13,das 9h30 às 23h30, mais um rastreio de doenças cardiovasculares.

6 de Abril de 2014

O ESTADO A QUE CHEGOU O PSD DE BUSTOS

A propósito de um cartoon e da reação (aqui) do líder local do PSD aproveito para opinar sobre o “nosso”  Partido Social Democrata.


O Alberto Zenha Martins é um bom chefe de família e como cidadão merece todo o meu respeito. O Alberto Zenha Martins é também presidente do PSD de Bustos, cargo a que se candidatou por vontade própria. Os dois não são uma e a mesma coisa. O cargo e a sua natureza política impõem deveres, responsabilidades, competências, etc.
Enquanto aprendiz de dirigente político Alberto Zenha Martins não consegue perceber a existência de dois níveis de afirmação e atividade pelo que, reagindo à “Sabedoria Canina” (aqui), usou o facebook para se pronunciar em nome pessoal. Só que, decorre da leitura do texto que o faz na qualidade de presidente do PSD local.
Cofunde-se o cargo com a pessoa e a pessoa com o cargo, e o ego crispado sobrepõe-se a tudo o mais, evidenciando uma total incapacidade para lidar com a crítica, neste caso com um simples cartoon humorístico. E irado, lá do alto de onde exige reverência, escreve duas inocuidades sobre o palacete e conclui com um insulto. Passo adiante a manifestação de infantilidade politica para olhar o cartoon que a provocou.
À entrada do palacete de Bustos existem dois cães em porcelana que após 108 anos do mais absoluto silêncio começaram a falar. Pergunta o cão da direita: ”O que aconteceu ao PSD de Bustos?”

A pergunta é muito pertinente se tivermos em conta que o PSD é, entre nós, histórica e sociologicamente um partido ultra maioritário. Em qualquer eleição de carater nacional o Partido Social Democrata sai sempre vencedor. O estranho é que, quando se trata de eleições locais, o povo fuja do partido, que é o mesmo que dizer dos seus dirigentes locais, da sua postura, das suas propostas, dos seus candidatos. Nunca essa aversão se manifestou de forma tão veemente como nas últimas eleições autárquicas em que o PSD se viu reduzido a 284 votos!
A meu ver isto acontece porque o partido se fechou, se desligou da realidade local, acabando por se refugiar numa realidade virtual chamada facebook. O que deveria ser um meio de divulgação transformou-se no espaço de ação.
Excluindo as figuras de alguns “senadores” do partido, onde se destaca o sempre presente, interessado e participante Dr. Manuel Nunes, o PSD deixou de estar presente, deixou de ter uma dinâmica, de se envolver, de ocupar o seu espaço na dinâmica social e política de Bustos. (Não basta aparecer nas assembleias para cumprir os regulamentos.) Sem uma figura tutelar, sem um líder respeitado pela sua vida, pela sua experiencia, o partido acabou entregue à rapaziada dos Jotas. A verdade é que aos vinte e poucos anos não há experiência, nem vida, nem mundo, e ainda menos respeito. Mas tudo piora quando, como é o caso, não há ideias, nem discurso, nem prática, nem simpatia, nem empatia, nem humildade, nem nada. 
A intrincar o ramalhete político temos as divisões internas (um mau líder não junta, divide) e o comportamento do partido no processo da fusão das freguesias. Em política a hipocrisia deve ser servida em doses moderadas e, na esteia da estratégia concelhia, o PSD de Bustos exagerou na dose quando o seu líder afirmou publicamente que era contra a reforma administrativa, mas nem um dedo mexeu para a combater. Um político cumpre uma tarefa bem diferente de um comentador. A um político não basta dar opinião. A natureza do exercício da política implica que desenvolva ações, mobilize os apoiantes visando um determinado objetivo. Um político que diz ser contra uma medida politica desta importância e não a combate, perde toda e qualquer credibilidade. Não passa de um fingidor!



A QUESTÃO DO PALACETE

Chegamos assim à questão do Palacete que apesar de não estar diretamente ligada às questões levantadas pelos canídeos, foi a que motivou a reação de Alberto Zenha Martins. Fugindo ao essencial da crítica (ou não a percebendo) o presidente do PSD local mostrou-se indignado porque, tal como o “NB” noticiou, uma deputada tinha alertado para ao estado de degradação do edifício numa assembleia municipal.

Uma vez mais se confunde opinião política com ação política. Mas neste caso há ainda o caricato de um partido (PSD) atacar o dirigente de uma Associação (ABC) que é militante do mesmo partido e durante anos foi o seu dirigente local. Há aqui qualquer coisa que não bate certo. Então nem dentro do partido eles se entendem? Não falam uns com os outros em busca de soluções? Fazem intriga ou fazem política?

Talvez tudo se explique lembrando a curta passagem de Alberto Zenha Martins pela direção da ABC. De lá saiu incompatibilizado com a generalidade das pessoas e muito especialmente com Paulo Alves, o presidente de direção. Foi curta a passagem mas chegou para demonstrar que confunde o cargo com a sua própria pessoa e que não compreende a diferença entre servir e servir-se. Daí que, quando encontrou entre o espólio da ABC uma coleção de fotografias que integraram uma exposição ali realizada nos anos oitenta, em vez de divulgar esse espólio no âmbito da Associação e em nome desta, Alberto Zenha Martins preferiu faze-lo no You Tube e assinar por baixo. Exemplar!

Voltemos Facebook onde se explica que “a Comissão Política do Núcleo do PSD de Bustos” incumbiu a deputada Susana Nunes de manifestar a preocupação “desta estrutura e das pessoas que a compõem com o estado avançado de degradação em que se encontra o Palacete do Visconde de Bustos.” É de bradar aos céus! Então a Comissão Política do Núcleo do PSD de Bustos, que deveria ter uma estratégia para tentar resolver o problema e desenvolver contatos em busca de soluções, ou seja, fazer politica, limita-se a “manifestar uma preocupação”. E essa preocupação mais não é do que um ataque ao presidente da ABC, Paulo Alves que, curiosamente, tem um longo percurso cívico e político ao serviço do PSD.
 Mas, atenção, para além da desconsideração para com um antigo líder, a comissão política do núcleo do PSD de Bustos parece pretender “lavar as mãos do problema”, lançar um aviso e virar costas. Não o poderá fazer. Nem o PSD de Bustos, nem o PSD concelhio.
Todos aqueles que no nosso concelho têm poder e capacidade de decisão como o Sr. Presidente da Câmara (PSD) o senhor  Presidente da Assembleia Municipal (PSD),  ou o senhor presidente da Concelhia do PSD concordam que o edifício precisa de obras e de um projeto. O mesmo pensa (presume-se) o presidente da ABC, que também é do PSD. Sendo todos da mesma família politica, o que os impede de se reunirem para debater o assunto?

Não é com declarações de alerta que o PSD se livra de responsabilidades.. E se os decisores políticos locais são capazes de ver, ouvir e falar, exige-se que sejam capazes de agir que é para isso que foram eleitos. Bem sei que irão afirmar, naturalmente pesarosos, que o palacete tem um proprietário pelo que estão inibidos de agir. Gostaria de lhes responder que proprietários do palacete são todos quantos contribuíram para a sua compra e que a direção da Associação é uma mera representante de MUITA gente. Bem sei que Paulo Alves desenvolveu uma estratégia de encolhimento da ABC que, por exemplo, é a única associação de Bustos que não tem um sistema de cobrança de quotas e nada tem feito para conservar e angariar novos sócios. Bem pelo contrário, tudo tem feito para afastar os interessados da vida da associação. E esta estratégia de isolamento é levada tão a peito que quando é preciso representar e defender a Associação, nem o presidente de direção, nem presidente da assembleia geral aparecem em sua representação. Escondem-se, como aconteceu no passado mês de Fevereiro, nas comemorações do Dia de Bustos.

Uns encolhem-se, escondem-se sem coragem ou dignidade e outros lançam alertas enquanto assobiam para o ar. Uns fingem ser dirigentes associativos e outros fazem propaganda fingindo fazer política. É triste vê-los assim, de costas voltadas, enquanto um projeto, um edifício e um partido se vão desmoronando.

Será que conseguem sair deste labirinto?


Belino Costa

4 de Abril de 2014

EX- VICE DA CÂMARA SUSPEITO DE ACUMULAR SUBSÍDIO DE DESEMPREGO COM SALÁRIO


 
Joaquim Santos, ex-vice-presidente da Câmara de Oliveira do Bairro, está a ser investigado por suspeita de ter acumulado subsídio de desemprego com salário numa empresa que manteve negócios com a Autarquia, segundo informa o “Jornal de Notícias”
 
A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) e a Segurança Social (SS) estão a tentar juntar provas de que Joaquim Santos recebeu ordenado de diretor de produção, numa empresa de betão com a qual o município manteve negócios enquanto o visado exercia funções de vice-presidente, ao mesmo tempo que beneficiou de subsídio de desemprego, no valor de 1.048,20 euros/mês. Fontes da AT e da SS confirmaram, ao JN, ter conhecimento da situação e admitiram “diligências em curso para apurar os factos e punir, se for caso disso, eventual ou eventuais infratores”. 
Segundo o JN apurou, Joaquim Santos, que foi durante oito anos “vice” do autarca Mário João Oliveira (PSD, tendo abandonado a Câmara em outubro do ano passado, terá beneficiado de subsídio de desemprego durante 119 dias (entre 6 de novembro de 2013 e 4 de março de 2014).
Terá recebido mais de quatro mil euros da SS. Todavia, testemunhas ouvidas pelo JN garantem que o ex-autarca, engenheiro de profissão, “passou a colaborar, logo após a sua saída da Câmara, na empresa António Branco Tavares e Filhos, Lda, de Vila Verde, Oliveira do Bairro.
Tanto assim que passou a frequentar regularmente as instalações do Grupo Tavares (GT), a tratar de assuntos de trabalho em nome da referida empresa e a deter um e-mail personalizado”. É, de resto, a par tir deste seu e-mail profissional, com o domínio grupotavares.com, que Joaquim Santos trata de assuntos de trabalho, ao mesmo tempo que recebe subsídio de desemprego. O JN tem na sua posse um documento, datado do início de janeiro, no qual o ex-autarca, assinando como diretor de produção do GT, dirige-se a um empresário seu cliente para resolver assuntos de trabalho.
Segundo apurámos, um cliente do GT, que mantém uma inimizade com Joaquim Santos, ao tomar conhecimento que este era o diretor de produção da empresa de betão, terá advertido Danny Tavares (dono do GT) de que não autorizava a sua entrada nas suas obras, sob pena de acabar com os negócios. Alguns atuais e ex-autarcas de Oliveira do Bairro ouvidos pelo JN lamentam que “o Quim tenha, sem período de ‘nojo’, ‘saltado’ da Câmara para uma empresa que teve negócios com o seu Executivo”.
“Não lhe fica bem, porque não basta ser sério”, dizem. Um conhecido empresário de Oliveira do Bairro dá um exemplo de um negócio que deixou algumas dúvidas: “A Câmara vendeu os seus antigos estaleiros ao GT, por cerca de 800 mil euros. Ora, tendo em conta que o GT não tinha mais para onde se expandir, em Vila Verde, e que a Autarquia ficou sem estaleiros, o valor justo rondava os dois milhões de euros”.
O JN tentou insistentemente obter comentários de Joaquim Santos e Danny Tavares, mas os visados não quiseram pronunciar-se.
FRAUDE E BURLA TRIBUTÁRIA

Na opinião do professor universitário de Direito Mário Frota, Joaquim Santos e o GT poderão vir a ser acusados de crime de fraude contra a Segurança Social.
Um magistrado do Ministério Público ouvido pelo JN considera que poderá estar em causa um crime de burla tributária. A SS poderá requerer o reembolso, com juros, dos subsídios de desemprego pagos e o Fisco pode emitir uma multa contraordenacional por causa da alegada fuga a pagamento de IRS.

OITO ANOS DE CRÍTICAS

Durante os oito anos de vice-presidência da Câmara, Joaquim Santos, engenheiro civil, foi muito criticado, entre outros, por causa de alegadas indemnizações que terá recebido da Autarquia pela cedência de terrenos para a construção de uma alameda, na cidade de Oliveira do Bairro. O facto de a sua mulher submeter vários projetos arquitetónicos à aprovação municipal suscitou também reparos da oposição.

Miguel Gonçalves

Jornal de Notícias' de 2 de Abril de 2014

PREENCHER O IRS GRATUITAMENTE


A junta de freguesia da União de freguesias de Bustos, Troviscal e Mamarrosa vai proceder ao preenchimento gratuito da declaração de IRS (1ªfase). Os interessados deverão dirigir-se às respetivas sedes das antigas freguesias no horário seguinte:                    
Bustos - 12 de abril, das 10h00  às  12h00, e das 14h00 às16h00
              26 de abril das 10h00  às  12h00, e das 14h00 às16h00
Mamarrosa - 5 de abril, das 10h00 às 12h00.
                     19 de abril, das 10h00  às  12h00, e das 14h00 às16h00
Troviscal- 5 de abril, das 10h00  às  12h00, e das 14h00 às16h0

      19 de abril das 10h00  às  12h00

2 de Abril de 2014

LOJA SOCIAL DE BUSTOS - COMO VAMOS DE AMIANTO?

Loja Social de Bustos - Como vamos de amianto?
A Loja Social de Bustos tem porta aberto em lugar recatado onde funcionou um jardim escola.
É de fibrocimento a cobertura do prefabricado anexo à antiga escola do Corgo. Certamente o telhado não deve escapar ao filtro da vistoria provável avaliação a concentração do amianto existente nas placas.
Ou será que a desativação do jardim infantil não obrigará ao estudo competente medição de amianto, só porque agora alberga uma instituição  que não está ligada aos serviços de educação?
Uma sugestão: Se as medições não encontrarem valores de amianto que eventualmente não devam afetar a saúde, será desejável que seja anunciado para descanso de quem trabalha na instituição.

CARLA MARTINHO NO TROFÉU IBÉRICO DE 10.000 M BATE RECORD PESSOAL

CARLA MARTINHO NO TROFÉU IBÉRICO DE 10.000M











O troféu Ibérico de 10.000m disputou-se no passado sábado, ao final da tarde, no Estádio 1º de Maio, em Alvalade, Lisboa. O evento foi este ano composto por 6 séries, 4 no setor masculino e 2 no setor feminino, contabilizando-se a participação de mais de 150 atletas, um recorde nesta iniciativa.
 
Troféu Ibérico Fem. - 2014'2014 - Carla Martinho bate record pessoal
Quanto à participação da atleta da ADERCUS, Carla Martinho fez parte da selecção nacional, composta por 6 atletas, tendo acabado por ser a 5ª das seleccionadas, tendo estabelecido o seu record pessoal nas 25 voltas à pista, com a marca de 34min41,86seg.

Coletivamente, o resultado foi o somatório dos quatro melhores tempos dos atletas de cada país, a Espanha venceu com 2:10:15.06 horas e Portugal foi segundo com 2:10:21.72 horas.

(ADERCUS)